Mundo do Mouser
   



BRASIL, Sudeste, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, Informática e Internet, Livros, Programação e tomar café
Outro - querosenne@gmail.com
   
Histórico
    Outros sites
    Vida de Programador
    TecMundo
    VBMANIA
    UOL - O melhor conteúdo

    Votação
    Dê uma nota para meu blog

     


    Desordem

    Convertendo o software versão 7.0


    Olhando para a vida através dos olhos de um cubo de pneu
    Comendo sementes como um passatempo
    A toxicidade de nossa cidade, de nossa cidade
    Você, o que você deve ao mundo?
    Como deve sua desordem, desordem
    Agora, em algum lugar entre o sagrado silêncio
    Sagrado silêncio e sono
    Em algum lugar, entre o silêncio sagrado e o sono
    Desordem, desordem, desordem



    Escrito por MOUSER às 20h46
    [] [envie esta mensagem] []




    Chop Suey! System Of A Down

    Eu não acho que você acredite


    Em meu suicídio moralista
    Eu choro quando anjos merecem morrer!



    Escrito por MOUSER às 20h42
    [] [envie esta mensagem] []




    Eu vi trabalhadores em fábricas humilhados
    Sem ter condições, tratados como escravos

    Vi centenas de famílias implorando por migalhas
    Enquanto os ricos ignoram e não tem falta de nada

    Vi casas destruídas em ferrovias do trem
    O povo abandonado sem ajuda de ninguém

    Eles podem dominar, manchar nossa história
    Mas eles não terão a minha misericórdia

    Liberdade! Igualdade!
    Luto pela honra e justiça nessa cidade!
    Conspire! Mire e atire!
    A ordem dos assassinos, ainda vive!

    Sim, estamos vivos, em várias gerações
    Enquanto a chama da justiça arde em nossos corações

    Ainda lutamos, pra fazer revoluções!
    Na guerra contra os templários em várias nações

    Atravessamos oceanos, com nossas tripulações
    Em todos continentes contra as corrupções

    Reagindo para ver o povo livre de opressões
    Não vamos ficar no muro das lamentações

    Por isso estou aqui contra banqueiros e políticos
    Que roubam dos trabalhadores, estão corrompidos

    Desigualdade na cidade governada por templários
    Onde os ricos escravizam todos os operários

    Lutando por justiça, não vou contra os meus ensinos
    Pois represento a ordem, com a honra dos assassinos

    Eles podem dominar, manchar nossa história
    Mas eles não terão terão a minha misericórdia

    Liberdade! Igualdade!
    Luto pela honra e justiça nessa cidade!
    Conspire! Mire e atire!
    A ordem dos assassinos, ainda vive!

    Sim, estamos vivos, em várias gerações
    Enquanto a chama da justiça arde em nossos corações

    Eles podem dominar, manchar nossa história
    Mas eles não terão terão a minha misericórdia

    Posso sentir minhas raizes convivendo no passado
    Na ordem dos assassinos, meus antepassados

    Vivendo um tempo histórico, da humanidade
    Lutando, honra justiça e liberdade!

    Treinado para guerra eu nasci com um destino
    Pois corre em minhas veias o sangue de um assassino

    Honrando os meus antepassados, trilhando o meu caminho
    Junto com a minha gangue, eu não estou sozinho

    Lamina oculta, meu ataque é letal
    O pesadelo dos templários, agora é real

    Progressos por aqui, revolução industrial
    Mas como consequência, um lugar desigual

     



    Escrito por MOUSER às 20h38
    [] [envie esta mensagem] []




    Luz e Trevas

    Onde existe luz, também haverá trevas
    Na busca pela paz, sempre haverá guerra
    Onde existe amor, também haverá ódio



    Escrito por MOUSER às 20h35
    [] [envie esta mensagem] []




    Não esta facil

    Eu era alguém, que acreditava só no bem
    Lutava e buscava o certo como ninguém

    Mas veja bem, a verdade é que eu sempre fracassei
    Também doeu em mim no dia que eu te deixei

    Por anos eu tentei, mas sei que eu falhei
    Não pude cumprir tudo aquilo que jurei

    E eu sei (eu sei) fui tão longe que cheguei
    Ao ponto de ser a dor da pessoa que eu mais amei

    Olha o que eu me tornei
    O tipo de pessoa que eu nunca imaginei

    O mal que estava escondido alimentei
    E agora sinto que esse monstro não dominei

    E quem vai entender?
    Se quero pra mim morrer

    Eu odeio o que virei, mas me faz sentir tão bem
    Pois quando estou nas sombras sou forte como ninguém

    Me vejo no espelho, mas não me reconheço
    Confesso que até de mim, as vezes eu tenho medo

    Nenhum sentimento, nem arrependimento
    Tudo se perdeu como folhas para o vento

    Se sobrou algo de mim, no fundo, lá dentro
    Luto pra encontrar mas no fim eu nunca venço

    E eu tento, mas é só perda de tempo
    Cada dia estou mais frio, perdido nos meus pensamentos

    Não preciso de razão
    Eu escolhi cair pra dar de cara no chão

    No meio da multidão, percebo a solidão
    DEPOIS QUE VOCÊ FOI AQUI VIROU ESCURIDÃO
    E quem vai entender?
    Se quero pra mim morrer

    Tanto faz, não importa mais nada e mais ninguem
    Não estou me importando nem comigo também

    Me sinto quebrado
    Caindo em pedaços

    Porque eu sei que estou fora e não consigo voltar
    Toda minha insanidade eu preciso provar

    Não dá, eu já deixei me dominar
    Uma fera fora da jaula quem pode controlar?

    Sinto que está mais forte e nem eu posso parar
    Você não pode mais me ver pois tem alguem no meu lugar

    Cheguei a um extremo
    Posso até estar morrendo e eu já quero isso mesmo
    O errado é tão certo e o certo é tão errado
    O mal que me faz bem é o que me deixa alucinado

    E quem vai entender?
    Se quero pra mim morrer

    Eu odeio o que virei mas me faz sentir tão bem
    Pois quando estou nas sombras sou forte como ninguém



    Escrito por MOUSER às 10h28
    [] [envie esta mensagem] []


    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]